Fogo consome parte do Laboratório de Tecnologias Ecológicas da UnB

Breno Fortes/ CB / D.A Press

Por volta das 11h de ontem, parte do Laboratório de Tecnologias Ecológicas (Labtec) da Universidade de Brasília (UnB) foi destruída pelo fogo. O espaço existe há dois anos e fica próximo à quadra reservada para a moradia dos professores, conhecida como Colina. Segundo o Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), não houve feridos no incêndio, considerado de médias proporções. As chamas consumiram todo o material recolhido pelos alunos para reciclagem, além de uma horta experimental feita pelos estudantes dos cursos de agronomia, biologia, arquitetura e engenharia florestal.

Ao todo, foram 18 hectares destruídos pelo fogo, que levou uma hora e meia para ser debelado pelos bombeiros. Foram deslocados 10 militares em duas viaturas para combater as chamas. O incêndio, porém, deixou intacta uma cabana de palha usada para reuniões dos universitários. “Temos um quartel próximo ao local, não houve perigo para nenhuma construção”, explicou o major Mauro Sérgio de Oliveira, comandante do Centro de Comunicação Social do Corpo de Bombeiros.

Segundo o major, ainda não é possível definir as causas do fogo que se espalhou rapidamente na manhã de ontem, mas a suspeita é de que tenha sido causado por ação humana. “A experiência que temos é de que mais de 90% desse tipo de incêndio é provocado pelo homem, seja acidental ou criminoso”, explicou. O resultado da perícia feita no local será divulgado no prazo de 20 dias úteis.

Perdas acadêmicas
O espaço era usado para o projeto Agenda Ambiental da universidade, mas ainda não era regularizado como laboratório da UnB. O objetivo do Labtec era servir de vitrine para a experimentação de ações sustentáveis que poderiam ser implementadas nos campus da UnB. Entre as atividades desenvolvidas pelos alunos, estavam a produção agroecológica integrada sustentável e o espaço de triagem de resíduos sólidos. As duas estruturas que comportavam essas iniciativas foram completamente consumidas pelo incêndio.

Muitos alunos lamentaram a perda de projetos que desenvolviam como parte das pesquisas acadêmicas da universidade. “Fazemos plantio com consórcio de plantas para saber quais culturas crescem bem em conjunto. Perdemos um viveiro feito com o dinheiro dos alunos, com várias sementeiras e pequenas mudas. Perdemos um trabalho”, lamentou a aluna de engenharia florestal Fernanda de Paula Medeiros, 24 anos. A responsável pelo espaço não foi encontrada para dimensionar os danos sofridos no laboratório. A universidade não quis se pronunciar sobre o ocorrido.

Atividades integradas
A Agenda Ambiental é um programa que tem como objetivo interligar e mobilizar a comunidade da UnB a fim de integrar as atividades universitárias para uma gestão coletiva e socioambientalmente sustentável nos câmpus da universidade. As atividades são implantadas pelo Labtec, por meio de um conjunto de aplicações práticas sustentáveis envolvendo conhecimentos de agroecologia, educação ambiental, gestão de resíduos sólidos e cooperativismo.

fonte : Roberta Machado e Luiz Calcagno/ Correio Braziliense

Print Friendly, PDF & Email