Espécie de águia quase extinta é morta por caçadores

Pássaro já havia sido curado de ferimentos em 2010 e devolvido à natureza por agentes de proteção

A águia-das-filipinas corre o risco de desaparecer por causa da caça e do desflorestamento

Uma das poucas águias-das-filipinas que restam no mundo foi morta por caçadores, informou a Fundação da Águia-das-Filipinas. A fêmea de dois anos foi encontrada com uma bala no corpo em setembro por nativos. Um transmissor de rádio havia sido colocado no animal para que a fundação pudesse rastreá-la.

A ave de rapina, também conhecida por águia-pega-macaco, possui um metro de altura, 2,40 de envergadura e é encontrada apenas nas Filipinas. A espécie está ameaçada de extinção por causa da caça predatória e do desflorestamento. “Mesmo com todo o trabalho duro, se existir uma pessoa que decide atirar na águia, todo o nosso esforço é perdido”, disse Dennis Salvador, chefe da fundação de proteção à águia. De acordo com Salvador, a espécie pode ser extinta em 20 anos.

O animal morto já havia sido tratado pela fundação. Ele foi capturado em 2010 por um fazendeiro, quando tentava atacar seu animal de estimação. O homem entregou a águia para a fundação, onde foi curada e devolvida à natureza com um transmissor de rádio.

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, restam apenas 670 águia-das-filipinas (Domínio público / Wikipedia)

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na silga em inglês) lista o animal como criticamente ameaçado e estima que restam apenas 670 pássaros. A Fundação da Águia-das-Filipinas já devolveu seis águias à natureza, geradas em cativeiro ou com feridas curadas, mas quatro já morreram. Três delas por caçadores. “Apesar de ser o pássaro símbolo das Filipinas e a caça ser considerada ilegal, o animal ainda é caçado por comida ou recreação”, lamentou Salvador.

Fonte : Agência France-Presse /Veja

Print Friendly, PDF & Email