Energia chega a 98% das casas; lixo ainda é queimado no campo

Dos serviços prestados aos domicílios brasileiros, a energia elétrica foi a que apresentou a maior cobertura no país em 2010, segundo os Indicadores Sociais Municipais do Censo Demográfico 2010 divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com a pesquisa, 97,8% dos domicílios eram atendidos em 2010, sendo que as áreas urbanas (99,1%) e rurais (89,7%) estão quase equiparadas.

Com exceção das áreas rurais da região Norte, onde apenas 61,5% dos domicílios tinham energia elétrica fornecida por companhias de distribuição, as demais regiões apresentaram uma cobertura acima de 90%, variando de 90,5% no Centro-Oeste rural a 99,5% nas áreas urbanas da região Sul.

LIXO

Assim como os serviços de água e esgoto, a coleta de lixo aumentou no país em 2010 na comparação com 2000 –passou de 79% para 87,4%.

A cobertura mais abrangente se encontrava no Sudeste (95%), seguida do Sul (91,6%) e do Centro-Oeste (89,7%). Norte (74,3%) e Nordeste (75,0%%), que tinham menores coberturas (57,7% e 60,6%), apresentaram os maiores crescimentos em dez anos, de 16,6 e 14,4 pontos percentuais respectivamente.

Nas áreas urbanas o serviço de coleta de lixo dos domicílios estava acima de 90% em todo o país. Nas áreas rurais o serviço praticamente dobrou, passando de 13,3% dos domicílios atendidos em 2000 para 26%, em média.

Já o descarte de lixo em terreno baldio, que em 2000 era adotada por moradores de 20,8% dos domicílios rurais, caiu para 9,1%.Apesar do crescimento, a dificuldade e o alto custo da coleta do lixo no campo tornam a opção de queimá-lo a mais adotada pelos moradores dessas regiões. A prática cresceu 10 pontos percentuais, passando de 48,2% em 2000 para 58,1% em 2010.

CENSO

Participaram do Censo 2010 cerca de 190 mil recenseadores, que visitaram os mais de 5.500 municípios brasileiros. Ao todo, foram entrevistados representantes de 67,5 milhões de domicílios no período de 1º de agosto a 31 de outubro –outras 899 mil residências foram consideradas fechadas.

Os primeiros dados da pesquisa, que identificou uma população de 190 milhões de pessoas, foram revelados em abril deste ano. Nesta quarta-feira, o IBGE divulgou dados consolidados e novos recortes nas estatísticas.

Fonte: Estadão

Print Friendly, PDF & Email