Ecológica, juta mira mercado de saco plástico

COLHEITA - Ribeirinhos colhem juta na várzea do rio Solimões, em Manacapuru (AM); plantação da fibra ocorre nas calhas dos rios amazônicos Foto : Álbum da Folha

Os produtores de juta, fibra natural usada em sacos de cereais, querem se tornar o principal fornecedor de “ecobags” para suprir o vácuo das sacolinhas plásticas, que estão com os dias contados no país. São Paulo banirá os plásticos em janeiro.

Para isso, a indústria têxtil de juta da Amazônia veste uma roupagem ecológica e socialmente engajada –compra matéria-prima de 15 mil famílias ribeirinhas do Amazonas e do Pará.

Segundo os produtores, a juta é o único material totalmente biodegradável –que não depende de compostagem para decomposição como os plásticos biodegradáveis vendidos no comércio.

Com base nisso, a juta da Índia e de Bangladesh conquistaram o “ecomercado” dos EUA e da Europa.

No Brasil, os produtores apresentaram ao governo um projeto de financiamento de R$ 13,6 milhões para melhorar a genética das sementes e facilitar a agricultura familiar –a ideia é produzir uma juta mais leve, sedosa e resistente às pragas e ao clima.

Segundo os produtores, somente a melhora genética e a facilidade no financiamento são capazes de fazer a produção duplicar.

Decadente desde os anos 80, quando chegaram ao país os sacos de nylon, o setor é hoje uma sombra do que fora –eram 35 empresas, que produziam 100 mil t/ano.

Hoje, as três empresas sobreviventes não conseguem fazer nem 15 mil toneladas, apesar da capacidade de produzir até 30 mil toneladas. Somente café e batata ainda usam sacos de juta.

QUEBRA DE SAFRA

No Amazonas, a juta é plantada na várzea do rio Solimões. Os ribeirinhos sem outra alternativa de renda (como o Bolsa Família) plantam na área que surge após a vazante dos rios e colhem quatro meses depois, pouco antes da cheia. Se algo der errado, perde-se a plantação.

Ano após ano, a safra quebra devido a sucessivas secas e cheias da região Norte, desestimulando o produtor familiar a plantá-la.

Em 2010, a seca histórica na Amazônia levou a indústria a importar fios do Bangladesh para atender aos produtores de café. Em 2009, uma cheia antes da época quebrou metade da safra.

Neste ano, a situação parecia normal até junho. Foi quando os rios subiram de repente e a colheita teve de ser feita em três semanas. A perda da safra chegou a 30%.

Com esses problemas, a indústria de juta chegou atrasada ao debate sobre os substitutos das sacolas plásticas.

Enquanto os supermercados devem vender as sacolas de plástico biodegradável a R$ 1,90 cada, os produtores de juta dizem que conseguem uma “ecobag” para o consumidor entre R$ 2 e R$ 2,10.

 

Fonte :  Folha de São Paulo _  TONI SCIARRETTA
JORGE ARAÚJO
ENVIADOS ESPECIAIS A MANACAPURU (AM) E CASTANHAL (PA)

Os jornalistas viajaram a convite da Companhia Têxtil de Castanhal

Print Friendly, PDF & Email