Consumo responsável – Lâmpada Fluorescente é um risco ao ambiente

As lâmpadas fluorescentes ou tubulares consomem 80% menos energia elétrica e duram até dez vezes mais que as lâmpadas incandescentes. Lâmpadas fluorescentes de 15 watts equivalem a lâmpadas comuns de 60 watts e duram aproximadamente seis vezes mais, levando-se em consideração um uso diário de três horas.
Escolha as lâmpadas de acordo com o ambiente em que o produto será utilizado:

•A luz mais branca ou azulada estimula a produtividade, por isso é indicada para áreas de serviço, cozinha, escritórios, escolas, hospitais.
•A de tonalidade mais amarelada torna o ambiente mais aconchegante. Para maior conforto ambiental, essas lâmpadas são recomendadas para quartos, corredores, banheiros, salas de estar e de jantar.

Somente adquira lâmpadas fluorescentes com selo Procel, testadas e aprovadas pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial).

Lembre-se, apesar de adotadas como uma alternativa mais econômica as lâmpadas fluorescentes não são uma inocente ferramenta doméstica. Os especialistas apontam que a quantidade de mercúrio – uma substância tóxica e muito perigosa – presente nas lâmpadas fluorescentes é suficiente para provocar um envenenamento ambiental em longo prazo. Também foi constatado que uma planta atingida por essa substância líquida pode sofrer atrofia na raiz e nas folhas.

No caso dos humanos, o contato com doses altas de mercúrio, ou o contato reiterado, pode gerar problemas no sistema nervoso e até mesmo uma doença chamada “hidrargirismo”, em que os órgãos param de funcionar. Seus efeitos se manifestam depois de algum tempo, e podem demorar até 10 anos para aparecer. Geralmente, sua toxidade é irreversível. Se ele entrar em contato com o sangue pode também trazer danos para os rins.

O problema surge quando elas queimam e precisam ser substituídas. São grandes os riscos quando despejadas no lixo orgânico ou lixo seco comum, junto dos materiais recicláveis (vidro, papel e plásticos), no aterro sanitário, ou vazando durante este percurso, contribuindo para a contaminação do solo ou da água. Por isso, reciclar o mercúrio presente em tais lâmpadas tem sido um problema mundial.

Em muitas cidades, elas estão sendo substituídas por outras do tipo vapor de sódio, menos tóxica e nociva ao ambiente, além de serem mais econômicas e possuírem uma durabilidade e uma eficiência maior do que as que utilizam mercúrio.

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental Americana (EPA, na sigla em inglês), seu manuseio e armazenamento exigem cuidados. Se rompidas, liberam vapor de mercúrio, que será aspirado por quem as manuseia. Assim, em caso de quebra e de vazamento, seguir os seguintes passos:

Antes da limpeza:

Ventilação

1. Tire pessoas e animais domésticos do ambiente e NÃO permita que andem na área afetada.
2. Abra uma janela e saia da sala por no mínimo 15 minutos.
3. Caso tenha ar-condicionado, desligue-o durante esse período.

Limpeza passo a passo:

1. Retire pedaços de vidro e pó com papel e coloque tudo num plástico ou recipiente de vidro (com tampa).
2. Use fita adesiva para retirar pedaços menores do chão e dos móveis.
3. Limpe a área com papel toalha úmido (ou lenços umedecidos). Descarte esse papel e fita adesiva junto com os cacos de vidro

O que fazer com os restos?

1. Coloque o material recolhido do lado de fora da casa numa lixeira protegida e separada do lixo normal.
2. Lave as mãos ao terminar a limpeza.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criou o Disque-Intoxicação, que atende pelo número 0800-722-6001. A ligação é gratuita.

Como descartar uma lâmpada fluorescente:
1. Envolver a lâmpada em jornal, papelão ou plástico-bolha;
2. Acondicioná-la em local seguro, para evitar quedas, até que seja entregue nos locais de coleta. O seu descarte inadequado representa um risco.
3. A pessoa deve entregar a lâmpada usada na loja onde comprou. O serviço não deve ter custos para o consumidor, pois é a própria loja que deve ficar com a despesa da remessa e descontaminação do lixo tóxico. A única exigência é que o cliente apresente a nota fiscal para comprovar que o produto foi comprado na empresa.

ou

4. Encaminhá-la a uma empresa recicladora.

OBS. Estabelecimentos comerciais no Rio de Janeiro, que vendem lâmpadas fluorescentes serão obrigados a ter recipientes para sua coleta, quando descartadas ou inutilizadas. O documento regulamenta a Lei nº 5.131 de 14 de novembro de 2007, estabelecendo normas para o descarte desse produto.

De acordo com o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Fema), para saber se um indivíduo está contaminado com o material, este deve fazer um teste de creatinina na urina. Sua concentração não deve ultrapassar 5mg/g de creatinina.

Já existem no Brasil algumas empresas especializadas na reciclagem destas lâmpadas, visto que é possível aproveitar o vidro, devidamente descontaminado, os soquetes de alumínio, o mercúrio líquido e o pó base de fosfato.

Nos EUA, o “Standards for Universal Waste Management – 40 CFR Part 273 Subpart B” estabelece regras especiais para o transporte de resíduos perigosos em pequenas quantidades. O limite para encaixar-se nessa legislação é de até 5 toneladas.

* Correspondente do site e do informativo Mundo Verde em Nova Iorque.

Fonte: Mundo Verde

Consumo responsável - Lâmpada Fluorescente é um risco ao ambiente

Consumo responsável - Lâmpada Fluorescente é um risco ao ambiente

 

Informação complementar:

Segundo a Associação Brasileira de Importadores de Produtos de Iluminação (ABilumi), temos apenas 10 empresas no Brasil que fazem a reciclagem das lâmpadas fluorescentes. Além dessas empresas algumas das grandes redes varejistas presentes no Brasil recebem as lâmpadas fluorescentes para reciclagem. Então quando você tiver uma lâmpada fluorescente queimada, pergunte em alguma loja se aceitam ou então entregue em uma das 10 empresas identificadas pela ABilumi e listadas abaixo:

SÃO PAULO

Apliquim – www.apliquim.com.br

Tramppo – www.tramppo.com.br

Naturalis Brasil – www.naturalisbrasil.com.br

Rodrigues & Almeida Moagem de Vidros – (19) 9649-6867

MINAS GERAIS

Recitec – www.recitecmg.com.br

HG Descontaminação – www.hgmg.com.br

SANTA CATARINA

Brasil Recicle – www.brasilrecicle.com.br

PARANÁ

Bulbox – www.bulbox.com.br

Mega Reciclagem – www.megareciclagem.com.br

RIO GRANDE DO SUL

Sílex – www.silex.com.br

Leia mais: http://www.colunazero.com.br/2011/01/o-fim-das-lampadas-incandescentes-no.html#ixzz1f6fUD74w
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial

Fonte: http://www.colunazero.com.br/2011/01/o-fim-das-lampadas-incandescentes-no.html

Print Friendly, PDF & Email