Como identificar se um produto é realmente sustentável

Segundo notícia do Infomoney, “o aumento do interesse dos consumidores por produtos ecologicamente corretos vem atraindo a atenção e o investimento de muitas empresas”. A consequência disso? Essa onda verde está inundando as prateleiras dos supermercados e as publicidades em veículos de comunicação.

Assim, na tentativa de afirmar que seu processo de produção não prejudica o meio ambiente, diversos itens de consumo se autointitulam sustentáveis por meio de selos, certificados e prêmios desenhados em suas embalagens.

O problema disso tudo é que muitos consumidores se deparam com uma realidade bem diferente do discurso, já que nem todo produto que se diz comprometido com questões ambientais de fato o é.

“É um momento complicado, pois existem muitos apelos que remetem à questão de sustentabilidade e é difícil distinguir ações corretas das maquiagens verdes, o chamadogreenwash”, alerta a pesquisadora do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), Adiana Charoux.

Um dos principais fatores que agrava essa situação e gera desconfiança quanto à real veracidade da certificação é o caráter voluntário dos selos. Nesses selos autodeclaratórios, o própria fabricante do produto afirma que ele foi produzido com certos critérios de responsabilidade socioambiental.

Como há embalagens e fornecedores que enganam a população, divulgando um discurso vazio, o Idec aconselha que todos os consumidores procurem mais informações sobre quais foram os critérios utilizados para se chegar à certificação verde. “O consumidor deve buscar informações mais claras e concretas, porque existem apelos muito vagos e genéricos”, orienta Adriana.

Em relação às outras certificações encontradas no mercado, o Idec aponta que as mais confiáveis são as independentes, fornecidas por ONGs (Organizações não Governamentais) e entidades privadas. Afinal, para receber essas certificações, as empresas submetem seus produtos a um processo de checagem e só recebem o selo se os itens estiverem realmente adequados.

Também existem as certificações compulsórias determinadas pelo Governo. Um exemplo é o SisOrg (Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica), administrado pelo Ministério da Agricultura, em parceria com outras certificadoras.

“Qualquer produto agroecológico orgânico que deseje colocar em sua embalagem a informação eco, sustentável, ecológico ou algo do gênero, precisa desse selo”, esclarece Adriana.

Assim, no caso do selo presente na embalagem ser desconhecido do consumidor, a entidade defende que os consumidores pesquisem mais sobre o certificador.

“Às vezes a embalagem é pequena e não cabem todos os dados naquele espaço, mas, mesmo assim, o rótulo deve conter uma orientação, um site onde o consumidor pode encontrar mais informações sobre o selo”, conclui a pesquisadora.

(Consumidor Seguro)

Print Friendly, PDF & Email